Mestrado: A interação entre o planetário e a escola: justificativas, dificuldades e propostas

Data: 
18/10/2017 - 08:30
Local: 
Auditório 2 do IAG (Rua do Matão, 1226, Cidade Universitária)


Defesa de dissertação de mestrado
Aluno: Kizzy Alves Resende
Programa: Mestrado Profissional em Ensino de Astronomia
Título: A interação entre o planetário e a escola: justificativas, dificuldades e propostas

Comissão julgadora
1) Prof. Dr. Enos Picazzio - IAG/USP
2) Prof. Dr. Rodolfo Langhi - UNESP/Bauru-SP
3) Prof. Dr. Sérgio Mascarello Bisch –UFES/Vitória-ES
 
 
 
Resumo
Esta pesquisa analisa a capacidade dos planetários em contribuir participativamente no ensino de astronomia dentro da escola, desde a sessão de cúpula até as ações externas. A pesquisa abrange cerca de 65% dos planetários do país e opiniões escolares colhidas pela autora. As informações revelam que o público escolar é o mais significativo nos planetários e que as equipes de operação e gerenciamento desses espaços reconhecem a necessidade de oferecer atendimentos diferenciados às escolas. No entanto, não identificamos uma metodologia estruturada para os atendimentos escolares. Essa falha operacional e pedagógica por parte dos planetários se reflete nas escolas, pois a maioria delas desconhece as funções e a potencialidade dos planetários na construção de uma educação sólida em ciências, em especial a astronomia.  Apesar de haver um crescimento demográfico de planetários fixos e, sobretudo, digitais móveis, nota-se com clareza que as ações desses espaços são baseadas nas experiências de atendimento e não em projetos educativos que levem em consideração as dificuldades dos estudantes e as diferenças sociais entre o público escolar. A troca de modelos administrativos decorrente da alternância político-administrativa gera um risco iminente da perda das características e dos objetivos educativos dos planetários. Há uma nítida confusão entre as finalidades educacional (público escolar) e recreativa (público geral) dos planetários. A maioria dos planetários se dedica mais ao público geral. Esta pesquisa apresenta uma contextualização histórica, reconhece o planetário como um espaço não formal para o ensino de ciências, em especial de astronomia, e utiliza as diretrizes dos Parâmetros Curriculares Nacionais para embasar uma proposta de interação entre escola e planetário. Para tanto, foram produzidas duas cartilhas informativas: “A escola está chegando! ”, destinada ao planetário, e “Vamos ao Planetário! E agora? ”, destinada às escolas. 
Palavras-Chave: Planetários; Espaço não formal; Ensino de Astronomia; Interação planetário e escola.