85 anos da Estação Meteorológica do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo

Em 22 de novembro de 2017, a Estação Meteorológica do IAG-USP (EM-IAG-USP) situada na área central do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, completou 85 anos de existência, acumulando mais de 57.000 observações meteorológicas ininterruptas dos principais elementos da atmosfera, mesmo em períodos difíceis como durante a Segunda Guerra Mundial que dificultava a importação de diagramas originais, e num período mais recente na década de 90 com saída de vários observadores.   Durante esse período, foram atingidos novos recordes com relação à chuva e à temperatura, e a longa série de dados revelou que a temperatura média anual teve uma tendência de aumento de 2,3°C ao longo desses 85 anos.

Recordes Valores Datas
Maior temperatura 37,2ºC 17/10/2014
Menor temperatura -1,2ºC 06/07/1942
12/07/1924
02/08/1955
Mês mais chuvoso 653,2mm Janeiro/2010
Mês menos chuvoso 0,4mm Julho/2008
Maior acumulação de precipitação em 24h 145,9mm 06/03/1966
Ano mais chuvoso 2236,0mm 1983
Menor umidade relativa 12% 23/11/1968
Maior rajada de vento registrada 101 km/h 24/11/1973
Mês com mais dias com trovoadas 26 ocorrências Janeiro/2010
Ano com mais dias com trovoadas 114 ocorrências 1976

É oportuno ressaltar que a existência da Estação, colaborou de modo significativo na criação e formação posterior do IAG-USP, porque desde a sua inauguração, foi a única atividade ali realizada até a conclusão da construção e inauguração dos prédios em 1941.  Deve também ser feita uma menção honrosa ao Prof. Paulo Marques dos Santos, que durante 49 anos foi responsável pela manutenção dos serviços da Estação, e um dos pilares da criação do Curso de Bacharelado em Meteorologia que se iniciou em 1977.   

A Estação Meteorológica do IAG se diferencia das outras estações convencionais, por atuar nas três áreas básicas da Universidade de São Paulo que são o Ensino, a Pesquisa e a Extensão Universitária, por participar de modo significativo no fornecimento de dados, informações técnicas, orientação e consultoria relacionadas com pesquisas específicas, e assuntos relacionados com as condições do tempo; treinamento de técnicos internos e externos à universidade; alunos do Curso de Bacharelado em Meteorologia do IAG e de outras instituições particulares e privadas; promove anualmente os cursos de difusão cultural “Explorando a Meteorologia” e “Treinamento em Observações Meteorológicas de Superfície” para público leigo, interessados em geral, e Terceira Idade.  Nesse aspecto, ela pode ser considerada uma instituição dentro do próprio instituto.    

Anualmente recebe milhares de estudantes do ensino fundamental a universitários, e público avulso, divulgando o trabalho ali desenvolvido, o equipamento usado, com palestras direcionadas aos interesses das escolas visitantes, complementando com uma visita ao Museu de Meteorologia que oferece um espaço expositivo interessante mostrando painéis, fotos, instrumentos e objetos de época, relatando as origens do Serviço Meteorológico da capital, a criação do IAG, e a divulgação dos cursos de bacharelado em Astronomia, Geofísica e Meteorologia, como estímulo à opção de futuras profissões dos pré-vestibulandos, através de informações ao vivo e folders explicativos. 

Há frequentes solicitações por parte da mídia, rádio, jornais e TVs, com reportagens e entrevistas, e participa ativamente de eventos como o “Dia Meteorológico Mundial”, “USP Profissões”, “Semana Nacional de Ciência e Tecnologia”, e atende a solicitações de escolas e universidades para a realização de palestras e colaboração em feiras de ciências. 

Esse trabalho vem sendo realizado e mantido, graças às equipes de funcionários que ao longo das décadas, sempre com responsabilidade e dedicação, tem atuado de modo significativo na execução das tarefas diárias e atividades diversas, e que vem sendo aprimoradas constantemente.   

 

Texto de Mario FestaSamantha N.S. Martins Almeida, meteorologistas da Estação Meteorológica do IAG.